Por dentro da boca dos potros

Logo no primeiro dia de vida devemos ter atenção às erupções dos dentes decíduos “de leite”.

O primeiro exame odontológico na vida do cavalo deve acontecer na fase de potro, o qual deve ser realizado logo após o nascimento. Nesse momento, o exame tem a finalidade de explorar a cavidade oral, verificando se existem possíveis alterações ou deformidades de origens congênitas, como por exemplo:

primeiro dia

• Prognatismo.
• Braquignatismo.
• Fenda palatina.
• Lábios leporinos.
• Wry nose “nariz torto”.
• Formação do epitélio da língua.

 

anatomia

Os padrões destas deformidades relacionados à cavidade oral variam de leves a graves, podendo em determinados casos e graus tornar os potros incompatíveis à vida.
Após isso, no primeiro dia de vida devemos ter atenção às erupções dos dentes decíduos “de leite”, que acontecem nos potros da seguinte maneira.

  • Primeiro incisivo – 0 a 1 semana
  • Segundo incisivo – 4 a 6 semanas
  • Terceiro incisivo – 6 a 9 semanas
  • Segundo pré-molar – 0 a 2 semanas
  • Terceiro pré-molar – 0 a 2 semanas
  • Quarto pré-molar – 0 a 2 semanas

Qualquer alteração relacionada à saúde do potro no período de aleitamento vale um bom exame da cavidade oral. O potro pode apresentar problemas como “feridas”, estomatites na cavidade oral, prejudicando sua nutrição durante o aleitamento.

Em casos de éguas que se recusam a deixar o potro mamar precocemente, vale também um bom exame na boca do potro. Deformidades na maxila ou mandíbula e problemas nas erupções dos incisivos podem ferir a teta da égua causando dor e, por esse motivo, ela não deixa o potro mamar.

Após o período da amamentação é indicado exames profiláticos a cada seis meses. Porém, qualquer distúrbio alimentar ou nutricional neste período vale também um novo exame odontológico.

Lembramos que ocorrem as erupções dos primeiros e segundos molares nos seguintes meses e anos:

  • Primeiro molar – 10 a 12 meses
  • Segundo molar – 2 anos

Antes da doma é indispensável um bom e detalhado exame odontológico, pois nessa fase da vida estão ocorrendo importantes mudanças na boca do potro. É importante verificar a existência dos dentes de lobo e, se existirem, deve de pronto ser extraídos antes da introdução da embocadura, para evitar o incomodo devido ao choque com a mesma durante o início da doma.
“Tecnicamente, o “dente de lobo” é considerado o primeiro pré-molar e nasce em média aos cinco meses de vida do potro”.
Outros fatores importantes a serem observados são as trocas dos segundos, terceiros e quartos pré-molares de leites por permanentes, que ocorrem nas seguintes idades:

  • Segundo pré-molar – 2,7 anos
  • Terceiro pré-molar – 3 anos
  • Quarto pré-molar – 3.8 anos

Sem esquecer os incisivos trocando aos:

  • Primeiro incisivo – 2.5 anos
  • Segundo incisivo – 3.5 anos
  • Terceiro incisivo – 4.5 anos

Notem que, em média, dos 2,7 anos até 3,8 anos, é justamente a idade em que os potros são encaminhados para a doma e iniciados nos treinamentos. Sendo assim, um pré-molar decíduo “de leite” pode se soltar ou ficar parcialmente preso na gengiva, causando um desconforto enorme na boca desse animal, principalmente quando acontecer o contato com a embocadura.
Isso acontece principalmente com os segundos pré-molares. Diante dessa condição, o potro pode se tornar agressivo e desobediente e o treinador ou domador, pode atribuir esses acontecimentos a problemas de má índole e comportamento, que na verdade são problemas odontológicos fáceis de serem corrigidos.

“Alguns animais deixam de se alimentar ou diminuem a ingestão de alimentos durante esses episódios de trocas dos dentes, levando a um emagrecimento”.

“Eventuais pontas excessivas de esmalte dentário, quando presentes, também devem ser removidas nessa época para proporcionar melhor conforto na mastigação e comandos por embocaduras”.

Durante toda essa fase de troca dos decíduos, os exames também devem ser semestrais, pois as quedas dos dentes de leites, no geral, devem ser sincronizadas.

Por exemplo: Se cair 1 primeiro incisivo, é preciso retirar os outros três primeiros incisivos; se cair 2 segundo pré-molares, é preciso extrair os outros 2 segundos pré-molares, e assim por diante.

Essa sincronização realizada por médicos veterinários com experiência em odontologia equina previne que os animais venham a desenvolver sérios problemas de oclusão dos dentes no futuro, ou carreguem por toda vida traumas fixados durante a doma e início dos treinamentos, devido à dor nos dentes e gengiva no contato com a embocadura nesse período de mudanças.

Por fim, podemos concluir que as principais mudanças na boca dos equinos acontece do nascimento até em média aos 5 anos, sendo que os últimos acontecimentos importantes são aos 4 anos de idade, quando nasce o último molar, aos 4,5 anos, a troca dos terceiros incisivos e, em média, aos 5 anos, quando nascem os caninos presentes nos machos e em poucas fêmeas.

Dessa forma, temos esse período do nascimento até os cinco anos como o período mais importante na realização dos exames odontológicos.

Após isso, os exames e tratamentos nos animais livres de problemas odontológicos podem ser anuais.

Autor: Doutor Ciro

Dr. Ciro Pinheiro Mathias Franco – CRMV SP 18914. Médico veterinário autônomo especializado em odontologia eqüina. No Brasil esteve presente nos mais importantes eventos como cursos, palestras e congressos sobre odontologia eqüina com a presença de médicos veterinários brasileiros e internacionais. Trabalha com odontologia eqüina em diversos haras e centros de treinamento em vários estados do Brasil.

2 Comments

  1. PARABENS POR MAIS UM ARTIGO

    • OLA! MUITO OBRIGADO !!

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *